Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

popless

by ana sofia santos

26
Abr23

"Gucci Cosmos": 102 anos da marca florentina numa exposição em Xangai

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-12.jpg

Para mostrar os 102 anos da herança da Casa Gucci e expor todos os clássicos que definiram uma era, a marca de luxo - agora propriedade da Kering - instalou uma exposição imersiva no West Bund de Xangai, uma antiga fábrica de aviação  com vista para o rio Huangpu.

A abertura decorrerá na sexta-feira e a exposição itinerante denominada Gucci Cosmos está numa fase de reformulação com uma abordagem mais atemporal que pretende restaurar seu apelo ao luxo.

O novo director criativo da casa, Sabato De Sarno sucedeu a Alessandro Michele, que deixou a empresa - de forma repentina - em novembro passado.

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-05.jpg

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-06.jpg

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-07.webp

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-11.jpg

Quando abrimos o arquivo Gucci em Florença em julho de 2021 para comemorar o nosso centenário, decidimos imediatamente que a China seria o primeiro destino global a dar vida a esta exposição histórica sobre a casa e a sua herança”, disse Marco Bizzarri, presidente e director executivo oficial da Gucci.

Bizzarri esclarece ainda que a essência da história da marca está nos designers e artesãos que estão por trás do trabalho, portanto, a "Gucci Cosmos é realmente uma homenagem a todos eles”.

Para lançar um novo olhar sobre as suas peças mais icónicas, a Gucci recrutou a teórica e crítica de moda italiana Maria Luisa Frisa como curadora do projecto. Es Devlin, a artista e cenógrafa britânica, foi o responsável por criar uma série de conjuntos imaginativos, esculturas gigantescas e obras de arte multimédia para a exposição.

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-04.jpg

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-01.jpg

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-02.jpg

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-03.jpg

Frisa aventurou-se durante cerca de seis meses no arquivo e procurou as peças mais notáveis ​​do espólio Gucci, reunindo a história da fundação da casa, a sua conexão ao mundo equestre, as suas bolsas mais referentes e os looks mais marcantes das eras de Tom Ford, Frida Giannini e Alessandro Michele .

A exposição está organizada em oito temas, ou “mundos”, que oferecem uma visão abrangente da história e da criatividade da marca. “A força desta exposição é que esta é uma experiência imersiva. Assim os visitantes que entram neste mundo podem sentir a força do diálogo entre os objectos, o diálogo entre o objecto e a mostra”, esclareceu Frisa numa entrevista exclusiva ao WWD.

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-13.jpg

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-14.jpg

Parte do desafio do programa era fazer com que o público entendesse a importância de cada objecto, item, peça de roupa ou acessório. Muitas vezes não damos valor a itens como a bolsa de bambu, mas na década de 1940, quando foi inventada, havia muita pesquisa sobre como dobrar o bambu e transforma-lo numa alça”, explicou Frisa. “Era uma novidade para a época; ainda é uma parte importante da habilidade e experiência da Gucci.

Oito dioramas multimédia, homenageiam ícones culturais que estão associados à Casa de moda, como Jacqueline Kennedy OnassisDiana, Princesa de Gales, a princesaGrace de Mónaco,Jared Leto, Gwyneth Paltrow e os embaixadores globais da marca, incluindo Chris Lee, Ni Ni, Lu Han e Xiao Zhan

Um dos núcleos expositivos é o “Archivio”, um espaço circular labiríntico cheio de armários em azul-bebé, gavetas e tetos espelhados que ecoam o design de interiores do Arquivo Gucci em Florença. As gavetas podem ser abertas pelos visitantes de forma a revelar páginas de cadernos de esboços de vários artesãos e réplicas de campanhas publicitárias vintage. 

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-09.jpg

Gucci-Cosmos-exhibition-Shanghai-21Studios-10.jpg

A moda é o único sistema que pode se renovar olhando para o passado, e a Gucci é o exemplo perfeito dessa capacidade”, concluiu Frisa.

[imagens © 21 STUDIO/WWD]

12
Mar20

Uma igreja ortodoxa transformada em biblioteca/livraria

Poetry4.jpg


 


Em Xangai, uma igreja ortodoxa construída em 1932 e até agora abandonada, foi restaurada e transformada numa biblioteca/livraria. O projecto Sinan Books Poetry Store é da autoria do Wutopia Lab em colaboração e parceria estreita com o Centro Histórico de Assuntos de Protecção de Edifícios de Xangai, que estabeleu a obrigatoriedade de que a empreitada arquitectónica não podia alterar traços significativos da fachada nem do plano arquitectónico original. Para destacar a estrutura base, foi necessário remover todos os traços e alterações feitas durante as décadas em que a igreja foi usada para outras funções.


Para a biblioteca/livraria de poesia projectada pelo estúdio chinês, foi recriada "uma igreja dentro da igreja", construída com materiais diferentes dos originais - metal - e que, em qualquer caso, deixariam as paredes da igreja são visíveis.
Os painéis de metal prateado com 5 mm de espessura simulam a maior parte da abside da igreja, para que pudessem ser usados como prateleiras para os livros.


 


Poetry8.jpg


 



 

25
Fev19

De loja a galeria de Arte

Sobre mim

Pesquisar

Sigam-me

a inspiração

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Em destaque no SAPO Blogs
pub